• 13 outubro 2016

    Dica de Livro: A Sétima Morte - Paul Cleave | #Halloweentododia


    Olá galera!
    Vocês gostam de suspense policial? E de Serial Killers, Psicopatas??
    Então venham conferir a resenha do incrível livro A Sétima Morte! Tenho certeza que irão adorar  ✝

    Resenha

    Trechos lidos no vídeo
    "Eu disse anteriormente "que Deus a tenha". Não quis dizer que ela estava morta. Mas vai estar em breve. Não me entenda mal. Não sou uma pessoa má nem nada, jamais faria qualquer coisa para machucá-la, e me enoja que qualquer pessoa pensa isso. Só que ela é velha. Pessoas velhas morrem. Umas mais cedo do que as outras. Graças a Deus."
    -Página 13-

    " - Eu não sou gay, mãe.
    Verdade que isso não me incomoda. Não tenho nada contra os gays. Nada mesmo. Eles são, afinal de contas, apenas pessoas. Como quais quer outras. É em relação às pessoas que eu tenho alguma coisa contra."
    -Página 18-

    "Não tenho compulsão de matar o tempo todo. Não sou nenhum animal. Não saio por aí extravasando abusos da infância enquanto desencavo desculpas para matar. Não estou me esforçando para construir um nome ou ganhar a notoriedade de Ted Bundy ou Jeffrey Dahmer. Bundy era um louco que teve uma legião de seguidores durante e após seu julgamento, e até se casou depois de ser sentenciado à morte. Era um perdedor que matou mais de 30 mulheres, mas foi pego. Não quero fama. Não quero me casar. Se quisesse fama, mataria alguém famoso, como aquele cara, o Chapman, que amava tanto John Lennon que o matou com um tiro. Sou apenas um cara normal. Um Joe mediano. Com um hobby. Não sou um psicopata. Não ouço vozes. Não mato por Deus nem por Satã, nem pelo cachorro do vizinho. Nem mesmo sou religioso. Mato por mim mesmo. Simples assim. Gosto de mulheres e gosto de fazer coisas com eles que não me deixariam fazer. Deve haver dois ou três bilhões de mulheres neste mundo. Matar uma ou duas por mês não é grande coisa. É tudo questão de perspectiva."
    -Página 38-

    "Christchurch é um zumbido com vida. O trânsito bloqueia as ruas. Os pedestres bloqueiam as calçadas. Caminho entre eles, e nenhum deles saber quem sou. Olham para mim e tudo o que veem é um homem de macacão. A vida deles está em minhas mãos, mas sou o único que sabe disso. É um sentimento de poder e de solidão ao mesmo tempo."
    -Página 44-

    "Embora eu não goste dela, não desgosto dela mais do que não gosto das outras pessoas. De certa forma, isso a torna, para mim, a coisa mais próxima de um amigo. Fora meus peixes."
    -Página 74-

    "Ser onisciente, em inglês. Três letras. Letra do meio, 'O'.
    Joe.'
    -Página 95-

    "Pacientes que são moralmente doentes, assassinos e estupradores não são insanos, eles apenas alegam isso. Pessoas insanas realmente não compreendem o que fazem. Não tentam se livrar da condenação. São apanhados na cena do crime manchados de sangue e cantando músicas de Barry Manilow.
    Apenas pessoas sãs podem optar."
    -Página 99-

    "Mas trabalho é rotina. A vida é rotina. Tirar um tempo para aproveitar as coisas que amamos na vida não é rotina, é preceito. Se há poucas coisas pelas quais vale a pena viver, então é necessário aproveitá-las. É preciso saboreá-las."
    -Página 125-


    Nenhum comentário:

    Postar um comentário